Avançar para o conteúdo principal

Estudo Recente Confirma o papel do Glúten no aumento de Peso



Um estudo recente confirma alguns dos princípios básicos do Livro “Wheat Belly” do autor Dr. William Davis, onde argumenta que evitar o consumo de trigo resulta numa perda de peso saudável.
Publicado no Journal of Nutritional Biochemistry em Dezembro de 2012, e intitulado "Gluten-free diet reduces adiposity, inflammation and insulin resistance associated with the induction of PPAR-alpha and PPAR-gamma expression[1]," este estudo comparou os efeitos de uma dieta comum com glúten a uma dieta sem glúten em ratos.

Os ratos foram alimentados com uma dieta rica em gordura contendo 4.5% de glúten (grupo de controlo) ou sem Glúten (GF). Os pesquisadores então avaliaram os seguintes 16 parâmetros em ambos os grupos
-       Peso
-       Aumento de Adiposidade
-       Papel e adesão dos leucócitos
-       Infiltração dos macrófagos
-       A produção de citocinas no tecido adipose
-       Perfil lipídico do sangue
-       Glicémia
-       Resistência á insulina
-       Adipocinas
-       Expressão do PPAR-α e γ
-       Lípase lipoprotéica (LPL)
-       Lípase Hormonal sensitiva (HSL)
-       Carnitina palmitoil aciltransferase-1 (CPT-1)
-       Receptor de Insulina
-       GLUT-4
-       Adipocinas na gordura subcutânea

Concluiu-se que em relação aos ratos alimentados com glúten, os ratos na dieta sem glúten demonstraram uma redução no peso corporal e adiposidade, sem alteração da ingestão de alimentos ou da excreção lipídica.
Conclui-se assim que o ganho de peso associado ao consume de trigo tem pouco a ver com o conteúdo calórico por si; em vez disso, as proteínas do glúten (e provavelmente as lectinas[2] do trigo) perturbam os processos endócrinos e exócrinos no corpo, assim como a expressão de genes nucleares que são modulados diretamente.
Por vezes, esquecemo-nos que os alimentos não são apenas uma fonte de energia ou material para construir tijolos no nosso corpo, mas também uma fonte de Informação. A forma como cada alimento interage diretamente com os genes, a expressão dos genes, ou a estrutura e função do gene, é objetivo de estudo do novo campo de investigação da nutrigenómica. O trigo, assim como qualquer coisa que tentemos usar como alimento, contém energia/material e informação que o corpo irá usar para manter a integridade genética ou para interferir com ela.
Para certos alimentos, o nosso corpo teve centenas de anos para se adaptar, mas o trigo, é um alimento relativamente recente e particularmente a sua permutação moderna, é uma fonte biológica e evolutivamente nova de energia/matéria e informação. Sem contar que passamos imenso tempo a manipular os seus genes através da criação seletiva e de hibridação, e por sua vez, modificando a nossa própria expressão dos genes e vias biológicas relacionadas. 
Os pesquisadores afirmaram que os resultados observados estavam associados à "up-regulation de PPAR-α, LPL, HSL and CPT-1, que estão relacionados com a lipólise e oxidação dos ácidos gordos."
Também, houve uma melhoria na homeostase da glucose e do valor pró-inflamatório relacionado com o perfil da super expressão de PPAR-γ entre os animais sem glúten.

Conclusões:
Os dados obtidos apontam para os efeitos benéficos da alimentação sem glúten na redução da adiposidade, inflamação e Resistência à insulina. Os dados, sugerem que a exclusão do glúten da dieta deve ser testado como uma nova abordagem na prevenção da obesidade e desordens metabólicas.


[1] J Nutr Biochem. 2012 Dec 17. Epub 2012 Dec 17. PMID: 23253599
[2] Substâncias químicas que servem para defender esses grãos do ataque de microrganismos - bactérias, vírus, fungos e parasitas - e que são tóxicas para o nosso organismo, embora possam diminuir a sua toxicidade quando os alimentos são submetidos à cozedura.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: