Avançar para o conteúdo principal

Açúcar e a sua relação com o Cancro


     Sabe-se que as células de cancro consomem grandes quantidades de açúcar para permanecerem vivas. Enquanto as células saudáveis geram energia utilizando pouco açúcar e muito oxigénio, as células de cancro utilizam muito açúcar e nenhum oxigénio para produzirem energia. Um novo estudo vem reforçar a ideia de que níveis elevados de açúcar no sangue aumentam o risco de vários tipos de cancro.
     Embora se saiba que a obesidade pode causar diabetes, não é tão conhecido o facto de ambas estarem relacionadas com um risco elevado de cancro. A população diabética tem até duas vezes mais probabilidades de virem a ter cancro do pâncreas e colo-retal, entre outros, de acordo com os estudos epidemiológicos disponíveis. Investigadores liderados por Custodia Garcia-Jimenez da Universidade Rey Juan Carlos em Madrid, descobriram um mecanismo que relaciona estas doenças entre si: níveis de açúcar elevados os quais aumentam a atividade de um gene implicado na progressão do cancro.
     Esta equipa encontrava-se a estudar como as células no intestino respondem aos açúcares e sinalizam ao pâncreas para libertar insulina, a hormona que controla os níveis de açúcar no sangue. Os açúcares no intestino estimulam as células do intestino a libertar a hormona chamada GIP, a qual aumenta a segregação de insulina pelo pâncreas. Os investigadores mostraram que a capacidade das células do intestino para segregarem GIP é controlada por uma proteína chamada β-catenina e que a atividade desta está estritamente dependente nos níveis de açúcar.
     Uma atividade elevada de β-catenina está associada ao desenvolvimento de vários cancros, aumentando a capacidade proliferativa das células de cancro. Este estudo demonstra que níveis elevados de açúcar levam à acumulação nuclear de β-catenina levando assim a uma maior proliferação celular. Foram identificadas as moléculas envolvidas no processo assim como a diversidade de células de cancro suscetíveis a estes mecanismos.
Diabetes


     O consumo de alimentos com elevado índice glicémico (IG) está associado ao risco de vários cancros:
- Cancro da mama: uma dieta com um elevado índice glicémico pode estar relacionado com o aumento do risco de cancro da mama.
- Cancro da próstata, colo-retal e do pâncreas: uma dieta com um elevado índice glicémico pode estar relacionado com um aumento do risco de cancro da próstata, colo-retal e do pâncreas: Quando comparados os grupos de sujeitos com maior e menor carga glicémica nas suas dietas, aqueles pertencentes ao primeiro apresentam neste estudo 26% maior probabilidade de desenvolver cancro da próstata, 28% maior probabilidade de cancro colo-retal e 41% maior probabilidade de cancro do pâncreas.
- Cancro colo-retal: um estudo sugere que aqueles que apresentavam valores superiores de carga glicémica e hidratos de carbono revelaram um risco 80% superior de recidiva ou morte quando comparados com aqueles que apresentavam valores inferiores.
Convém relembrar que para reduzirmos os níveis de açúcar no sangue devemos conhecer o índice e a carga glicémica dos alimentos. Farinhas brancas e cereais refinados são fontes de hidratos de carbono simples aumentando muito os níveis de açúcar, pelo que devem ser evitados e substituídos pela sua forma integral e preferencialmente biológica.
Classificação dos alimentos quanto aos valores de índice

Referências:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…