Avançar para o conteúdo principal

Açúcar e a sua relação com o Cancro


     Sabe-se que as células de cancro consomem grandes quantidades de açúcar para permanecerem vivas. Enquanto as células saudáveis geram energia utilizando pouco açúcar e muito oxigénio, as células de cancro utilizam muito açúcar e nenhum oxigénio para produzirem energia. Um novo estudo vem reforçar a ideia de que níveis elevados de açúcar no sangue aumentam o risco de vários tipos de cancro.
     Embora se saiba que a obesidade pode causar diabetes, não é tão conhecido o facto de ambas estarem relacionadas com um risco elevado de cancro. A população diabética tem até duas vezes mais probabilidades de virem a ter cancro do pâncreas e colo-retal, entre outros, de acordo com os estudos epidemiológicos disponíveis. Investigadores liderados por Custodia Garcia-Jimenez da Universidade Rey Juan Carlos em Madrid, descobriram um mecanismo que relaciona estas doenças entre si: níveis de açúcar elevados os quais aumentam a atividade de um gene implicado na progressão do cancro.
     Esta equipa encontrava-se a estudar como as células no intestino respondem aos açúcares e sinalizam ao pâncreas para libertar insulina, a hormona que controla os níveis de açúcar no sangue. Os açúcares no intestino estimulam as células do intestino a libertar a hormona chamada GIP, a qual aumenta a segregação de insulina pelo pâncreas. Os investigadores mostraram que a capacidade das células do intestino para segregarem GIP é controlada por uma proteína chamada β-catenina e que a atividade desta está estritamente dependente nos níveis de açúcar.
     Uma atividade elevada de β-catenina está associada ao desenvolvimento de vários cancros, aumentando a capacidade proliferativa das células de cancro. Este estudo demonstra que níveis elevados de açúcar levam à acumulação nuclear de β-catenina levando assim a uma maior proliferação celular. Foram identificadas as moléculas envolvidas no processo assim como a diversidade de células de cancro suscetíveis a estes mecanismos.
Diabetes


     O consumo de alimentos com elevado índice glicémico (IG) está associado ao risco de vários cancros:
- Cancro da mama: uma dieta com um elevado índice glicémico pode estar relacionado com o aumento do risco de cancro da mama.
- Cancro da próstata, colo-retal e do pâncreas: uma dieta com um elevado índice glicémico pode estar relacionado com um aumento do risco de cancro da próstata, colo-retal e do pâncreas: Quando comparados os grupos de sujeitos com maior e menor carga glicémica nas suas dietas, aqueles pertencentes ao primeiro apresentam neste estudo 26% maior probabilidade de desenvolver cancro da próstata, 28% maior probabilidade de cancro colo-retal e 41% maior probabilidade de cancro do pâncreas.
- Cancro colo-retal: um estudo sugere que aqueles que apresentavam valores superiores de carga glicémica e hidratos de carbono revelaram um risco 80% superior de recidiva ou morte quando comparados com aqueles que apresentavam valores inferiores.
Convém relembrar que para reduzirmos os níveis de açúcar no sangue devemos conhecer o índice e a carga glicémica dos alimentos. Farinhas brancas e cereais refinados são fontes de hidratos de carbono simples aumentando muito os níveis de açúcar, pelo que devem ser evitados e substituídos pela sua forma integral e preferencialmente biológica.
Classificação dos alimentos quanto aos valores de índice

Referências:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: