Avançar para o conteúdo principal

Fitoterapia em resposta ao stress

O Stress, está sempre presente em todas as circunstâncias da vida e é uma resposta inespecífica do organismo a uma agressão, a um tóxico (ambiental, infecção, metabolismo) ou a um estado emocional.

O stress nem sempre é prejudicial. A reacção ao stress desencadeia-se a partir do sistema límbico que é uma estrutura cerebral que existe no cérebro dos mamíferos e que permite através do sistema nervoso autónomo reagir e ter os comportamentos necessários à sobrevivência, interferindo positiva ou negativamente no funcionamento visceral e na regulação metabólica de todo o organismo. A resposta inadequada ao stress, de forma persistente pode causar doença.

Na revista Integrative Practitioner UpDate, de Março 2012, foi publicado um estudo que revela que 19 milhões de pessoas nos Estados Unidos, sofrem de stress e ansiedade, e 75% a 90% das idas ao médico estão relacionadas com stress.

É importante identificar e tratar a causa do stress, estabelecendo prioridades conforme o quadro clinico:

Fase 1 - aguda, não recorrente, não incapacitante, recente, necessita de suporte psicológico.

Fase 2 - aguda, recorrente e recuperação difícil, afecta o sono, e apresenta ansiedade marcada. Necessita de doseamento do nível de cortisol.

Fase 3 - crónica, sintomas graves e com fraca recuperação, associada a fadiga adrenal, apneia do sono, problemas de memória para factos recentes.

A autora propõe a todos os doentes exercício físico e controle do comportamento alimentar para reduzir o impacto do stress, assim como tratamento fitoterapêutico com Ashwagandha, Rhodiola, Licorice, Passiflora, Hypericum, Ginseng e outros.

A Ashwagandha é útil em todas as fases, pois controla a ansiedade, desordens cognitivas, inflamação e tem interesse na doença de Parkinson. É um adaptogéneo, usado na exaustão nervosa, e é estimulante da imunidade. Tem alguns efeitos secundários e por isso deve ser sempre seguido por um Naturopata.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.
Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína? A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.
As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.
O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescim…