Avançar para o conteúdo principal

Sabugueiro (Sambucus nigra L.)

Arbusto ou pequena árvore originária da África, Ásia e Europa, o sabugueiro atinge em média 4m. Tem as folhas ovaladas, pequenas flores brancas e frutos redondos de coloração escura. 

Os frutos e as flores são utilizados em várias culturas, embora apenas as flores tenham o seu uso medicinal mais difundido.

O fruto da árvore é muito consumido na Europa como alimento (tortas, doces, vinhos).

Parte utilizada
Flores secas.

Uso medicinal

O seu uso é reconhecido pela farmacopeia no tratamento sintomático de constipações, como diaforético (induz a transpiração) em estados gripais e febres e como expectorante.

Já era registada o uso desta planta como terapêutica nos tempos de Hipócrates há 2500 anos.

Em Portugal, a popularidade do Sabugueiro sempre foi grande, nos Açores chamam-lhe “chá do bem fazer”, em Espanha “ árvore boa”, isto porque sempre foi reconhecida como planta a ser consumida durante os dias frios, para afastar gripes e constipações, promovendo a sudação o que a torna muito boa nos casos febris.

Em Israel o pesquizador DR. Madeleine Mumcuoglu de Hadassah-Hbrew University Medical Center dedicou parte da sua vida a estudar o Sabugueiro e as suas propriedades curativas.

Em relação à gripe demonstrou que 20% dos indivíduos que sofriam com gripe apresentavam melhorias significativas no prazo de 24 horas, quando o sabugueiro era consumido, nas quais dores de garganta, febre e tosse eram reduzidas.
73% sentiam-se melhor após o segundo dia.
E no terceiro dia, 90% estavam completamente curados.

Modos de uso

Infusão das flores fervidas em água, xarope, tintura ou cápsulas.

Cuidados e contra-indicações

O uso das folhas deve ser evitado, pois podem ser tóxicas. Para preservar as flores, guarde-as num vidro escuro isoladas do ar, evitando assim o apodrecimento.

Efeitos colaterais

Aumento da transpiração. Em doses excessivas pode baixar os níveis de cálcio no sangue.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.
Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína? A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.
As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.
O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescim…