Avançar para o conteúdo principal

Marsúpios e a sua Segurança

Vejo muitos pais a passearem todos contentes com os bebés nos seus marsúpios voltados para a frente e apesar da grande parte da responsabilidade ser das empresas que publicitam esses produtos, quando somos pais devemos nos informar acerca de cada detalhe novo que surge em que o bebé esteja incluído, seja numa ida ao pediatra, seja nos produtos supostamente óptimos para bebés, seja na sua segurança…em fim, há que ter olho e não aceitar as coisas sem questionar.

Dito isto, o meu post de hoje serve para referir o equivoque de carregar o bebé voltado para a frente. Esta forma de transportar o bebé trás muita água no bico e possíveis complicações futuras, ora vejamos:

- NÃO DÁ SUPORTE ÀS PERNAS DO BEBÉ. que devem estar apoiadas pelo menos até o meio das coxas, esse é o conceito de ergonomia. Os modelos que colocam as crianças viradas para frente mantém invariavelmente as pernas do bebé penduradas, em posição prejudicial ao seu desenvolvimento, de acordo com a International Hip Dysplasia Institute. Os joelhos do bebé devem estar alinhados com a altura da anca.

- FAZ PRESSÃO NA ÁREA GENITAL DO BEBÉ, Num modelo ergonómico na posição de buda (com as pernas juntas ou cruzadas) o peso do corpo do bebé fica concentrado no rabo como é suposto ser e não na virilha, na parte interna da coxa ou nos genitais. A pressão nessa zona por um período de tempo mais longo além de incómoda pode acarretar outros problemas, especialmente nos meninos.

- NÃO DÁ SUPORTE À CABEÇA OU PESCOÇO, os bebés que ainda não se sentam não devem ser expostos a situações onde cabeça e pescoço ficam sem suporte, mesmo que aparentemente eles já tenham esse controle, pois essa condição pode comprometer as vias respiratórias do bebé. Para os bebés maiores, o problema está na força que precisa fazer nas costas para controlar o peso da cabeça, que na posição invertida, projeta-se totalmente para fora do corpo do adulto - o bebé assume uma má posição para a coluna e sem suporte para distribuir esse peso. Além disso, não há senso de equilíbrio quando virado para frente, sentindo-se literalmente pendurado.

ErradoCorrecto

Errado

ErradoCorrecto



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: