Avançar para o conteúdo principal

Alfarroba

Fruto da alfarrobeira, árvore nativa da Costa do Mediterrâneo, a alfarroba é uma vagem cuja polpa, quando torrada e moída, torna-se um excelente substituto ao cacau.

Esta farinha possui apenas 0,7% de gordura e um elevado teor de açúcares naturais (sucrose, glucose e frutose), em torno de 38 a 45%.

A alfarroba tem um sabor adocicado, a sua vagem que mede cerca de 10 a 20 cm de comprimento e demora à volta de um ano para amadurecer. Dentro dessa vagem encontram-se de 10 a 16 sementes, ou quilates, que na Antiguidade eram utilizados pelos mercadores para avaliar o peso das jóias, em razão do seu pouco peso e uniformidade. 


SEM CAFEÍNA, GLÚTEN, LACTOSE E COLESTEROL 


A alfarroba não contém cafeína e teobromina (presentes no cacau), dois fortes estimulantes do sistema nervoso e do ritmo cardíaco, que são inclusive transmitidos aos bebés através do leite materno.

Embora apresente um elevado teor de açúcares, a alfarroba possui um baixo teor calórico devido à quantidade quase imperceptível de lipídos e a alta quantidade de fibras. O efeito benéfico dessas fibras naturais na flora intestinal dá-se pela protecção da membrana mucosa do intestino, bem como na redução significativa da incidência de diarreias indefinidas, desordens nutricionais e incidência de úlceras.

A alfarroba ainda possui vitamina B1 e um alto teor de vitamina B2. O facto de não haver açúcar (sacarose) na sua formulação torna o produto “light” e permite uma boa aceitação pelos diabéticos.

Por não conter glúten, a alfarroba pode ser consumida por celíacos, pessoas que tem restrições ao glúten. Reduz efectivamente, também, a assimilação da ingestão diária do excesso de colesterol. O seu poder Hipocolesterolemiante é o dobro de outras fibras.

VALORES NUTRICIONAIS

A alfarroba é um alimento saudável e de elevado valor nutritivo. Contém vitamina B1 tanto quanto o espargo ou morango, a mesma quantidade de niacina do feijão, da fava, lentilha e ervilha, e mais vitamina A do que a beringela, o espargo e a beterraba. Possui ainda

Além da vitamina B2, a alfarroba possui também cálcio, magnésio e ferro, bem como um correcto equilíbrio entre de potássio e sódio.

Estudos recentes mostraram que a alfarroba possui propriedades antioxidantes. 


RECEITA: Pedaço de céu de Alfarroba e coco 


Ingredientes:
- 2 chávenas de farinha de arroz integral 
- ½ chávena de chá de farinha de alfarroba 
- 1 colher de sopa de fermento em pó 
- 1 ½ chávena de chá de coco ralado 
- 1 chávena de chá de açúcar de coco 
- 2 chávenas de chá de água 

Mistura as farinhas com o fermento de modo a não originar grumos. 
Depois adiciona o coco ralado (reservar ½ chávena) e o açúcar. Mexer bem.
Por fim, acrescenta-se a água em simultâneo e envolver bem. Vai adicionando água até a mistura ficar cremosa mas ligeiramente espessa. Mexe muito bem para não ficar com grumos. 
Unta com óleo de coco e polvilha com farinha uma forma de bolo. Verte o preparado e polvilha com o coco que sobrou, guardando ainda algum para a decoração do bolo.
Leva ao forno a 190º C durante cerca de 30 minutos ou até ficar bem fofo e cozido. Retirar do forno, desenformar e polvilhar com o restante coco. 


Fonte: Revista Vegetariana

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: