Avançar para o conteúdo principal

Jejum Terapêutico - A base do Higienismo

Muito se tem falado ultimamente na prática do jejum e como é uma das técnicas mais antigas de cura da Naturopatia, deixa-me muito feliz ver que esta ferramenta terapêutica está a ressurgir das profundezas das cinzas tal como Fénix em prol de uma maior consciencialização acerca do nosso corpo, tanto físico, como mental e emocional/espiritual.
ânsia com que vivemos actualmente neste sistema de consumo, onde trabalhamos em empregos convencionais (que muitas vezes nem sequer gostamos), onde esprememos o nosso planeta terra a tal ponto que quase ou nada sobra e avançamos sem pensar muito nas consequências das nossas acções fez-nos desconectar da nossa intuição, do nosso eu interno que rege as tropas pelo bem comum da auto-regeneração orgânica. O mesmo se aplica à nossa alimentação, onde seguimos quase que inconscientes acerca das consequências de uma alimentação baseada em alimentos cujos os ingredientes não sabemos nem pronunciá-los nem tão pouco o que são ou de onde vêm.
Nesse estado de transe, o nosso corpo sofre consequências graves de todos os hábitos criados pelo nosso dia-a-dia/sociedade de consumo que fogem aos padrões originais da natureza. O nosso organismo necessita de parar de forma a desfazer este círculo vicioso ao qual fomos educados a seguir e é aí que entra o jejum terapêutico.
O jejum é usado há milhares de anos como terapia para ajudar o organismo a se desintoxicar e rejuvenescer de todos os tipos de problemas. É definido como a não ingestão de alimentos voluntariamente durante vários períodos. Muitos dos sistemas de saúde mais antigas do mundo baseavam-se no jejum para tratar e prevenir doenças. Hoje já se encontra provado pela comunidade científica que o jejum faz uma espécie de reboot ao nosso sistema imunitário fazendo-nos rejuvenescer a nível celular uns largos 5 anos para cada 14 dias de jejum.
                  O pai da medicina (leia-se Naturopatia) descobriu que o jejum ajudava o organismo a se recuperar. Nos seus escritos, Hipócrates realçava o enorme potencial de cura do jejum. Actualmente o jejum é cada vez mais praticado e aceite como método terapêutico.
                  O benefício básico do jejum é proporcionar ao organismo um descanso, ou seja, é uma forma de oferecer aos órgãos digestivos uma pausa para digerir os alimentos. A digestão utiliza uma enorme quantidade de energia e o organismo pode usar essa energia de reserva para a cura e regeneração. Além disso, o jejum evita que outras substâncias tóxicas entrem no organismo e, ao mesmo tempo, permite a expulsão de toxinas. Isto é válido principalmente para o fígado, que decompõe e metaboliza todas as substâncias tóxicas que entram no organismo.
                  Durante o primeiro dia de jejum, o organismo queima maioritariamente açúcar/glicose armazenada, depois começa a queimar gordura para obter combustível. No entanto, há uma excepção e isso ocorre com o cérebro, que requer açúcar no sangue.
                  Durante o segundo dia de jejum, algum tecido muscular é decomposto em aminoácidos, que são convertidos pelo fígado em glicose para alimentar o cérebro. Do segundo ao terceiro dia de jejum, o organismo passa por um processo de cetose. Nesta fase, o fígado converte a gordura armazenada em substâncias químicas chamadas cetonas, que podem ser usadas pelo cérebro, pelo coração e pelos músculos para produzir energia.
                  Em geral, durante este período, as pessoas deixam de sentir fome e têm um aumento de energia e uma maior noção de consciência, que muitas vezes inclui clareza da mente e do espírito. Como a gordura é cada vez mais queimada como combustível, as toxinas armazenadas (como pesticidas e outras substâncias químicas) são libertadas na corrente sanguínea para serem metabolizadas pelo fígado e pelos rins. As pessoas podem perder até 900g por dia durante esta fase, mas não deve ser uma ferramenta utilizada para a perda de peso, pois passar por um jejum terapêutico sem uma reeducação alimentar é conta certa para repor ou aumentar ainda mais a quantidade de gordura libertada durante o processo. 

Duração do Jejum: A duração do jejum depende da saúde da pessoa. Quanto mais saudável a pessoa, mais tempo ela pode jejuar. Muitos profissionais recomendam jejuns de 2 a 3 dias a cada mudança de estação. É mais comum recomendar-se um jejum na primavera para limpar o organismo de toxinas que se acumulam durante o inverno. Algumas pessoas gostam de fazer jejuns de prevenção 1 dia por semana ( mais recomendado pela Naturopatia).
O jejum mais básico é o jejum de água, em que consumimos apenas água durante um período especifico de tempo. Este é o jejum mais agressivo usado em pessoas saudáveis e com experiências em jejuns. Os mais inexperientes devem começar com o jejum de 1 dia. Nesse dia deve-se beber no mínimo 2 litros de água.
Os jejuns baseados em sumos são os mais populares mas menos intensos que os de água porque os açucares naturalmente presentes nos sumos de hortaliças e frutas evitam o processo de cetose.
Os sumos mais utilizados são os de cenoura, limão, maçãs, beterraba, aipo e hortaliças verdes como a erva de trigo, a couve e a espirulina. Este é o tipo de jejum mais indicado para quem o faz pela primeira vez ou para quem tem um ritmo diário mais intenso.

Como começar: É importante começar e parar o jejum de forma adequada. A melhor forma é ir diminuindo gradualmente a quantidade de alimentos consumidos 3 dias antes do jejum. Também se deve evitar ingerir alimentos mais pesadas, como os lacticínios e as carnes.
Um dia antes do jejum, a alimentação deve ser baseada em alimentos fáceis de digerir como saladas, frutas, legumes e infusões.

Opções de jejuns:

Jejum de 18 horas: O primeiro jejum que podes experimentar é o de 18 horas. Este jejum pode ter início às 19h de um dia e terminar às 13h do seguinte. Este jejum dá um descanso ao corpo, mas não deve ser feito repetidas vezes na semana pois pode levar o corpo a um hábito de reservar energia, o que pode gerar acumulo de gorduras.

Jejum de 24 horas: Este jejum é um verdadeiro alívio para o corpo. Experimenta ficar 24 horas sem comer e verifica os benefícios.

Jejum de 36 horas ou mais: 36 horas é o jejum máximo que recomendo para as pessoas fazerem sem acompanhamento de um profissional. Após essas 36h o apoio é fundamental pois as flutuações tanto emocionais como de sintomas antigos emergem em ondas/picos que por vezes o indivíduo não consegue lidar sozinho. No entanto, é uma linda oportunidade de cura, de renovação dos tecidos, de transmutação de emoções e de crescimento espiritual. Ficares 36 horas sem comer é como participares de um curso intensivo sobre ti convivendo intensamente com os teus pensamentos e sentimentos.

Como terminar: O fim do jejum deve ser semelhante ao seu inicio. Deve-se fazer uma transição gradual para alimentos leves durante alguns dias e depois incorporar outros alimentos.

Segurança: Um jejum com duração superior a três dias deve ser supervisionando pelo médico ou naturopata. Pessoas com problemas de açúcar no sangue, como hipoglicémia ou diabetes, devem consultar o médico antes de iniciar qualquer jejum. Também para doenças sistémicas.

Sintomas: É comum as pessoas terem sintomas de desintoxicação, entre eles, a fadiga, dor de cabeça, dificuldade em respirar, náuseas, urticárias ou sensação de constipação/gripe. Estes sintomas vão passando à medida que o jejum progride, depois do 2º ou 3º dia.


É importante descansar muito durante o jejum. O exercício e a actividade intelectual deve ser leve. 

O jejum é a forma que a natureza tem de limpar e regenerar o organismo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…