Avançar para o conteúdo principal

Fitonutrientes que deves comer para prevenir e combater o Cancro

Começamos a observar uma mudança de comportamento na forma de lidar com a doença, principalmente com o cancro. É engraçado notar que apesar da medicina tradicional ter chegado a ter uma reputação um tanto ou quanto duvidosa, onde se faziam comentários grossistas, negligentes e principalmente desinformados, começa, agora, nesta era que atravessamos, a ter comprovação científica nos saberes empíricos acumulados de geração em geração.

Onde antes havia “fraude”, agora existe evidência científica e esta mudança nota-se pela tentativa de se implementar um novo modelo médico, um modelo que tem o objectivo de atacar a raiz da doença e resolvê-la de forma permanente. Modelo a que alguns chamam de "medicina funcional."

É no tratamento do cancro, que esta abordagem pertinente e racional tem sido estudada. O foco está direccionado para tornar alvo as células-tronco cancerígenas na sua raiz. Agora sabemos que as células-tronco cancerígenas são resistentes à quimioterapia e radioterapia podendo até aumentar em número e metastizar quando expostas a estas terapias convencionais. No entanto, uma nova revisão publicada no International Journal of Molecular Sciences, intitulado "Os fitoquímicos como ferramentas terapêuticas inovadoras contra as células-tronco cancerígenas(1)", avaliou as evidências científicas que davam parecer positivo aos compostos naturais dentro de vários alimentos e especiarias para servirem como tratamento atacando as células-tronco cancerígenas por segmentação.

De acordo com uma avaliação de 30 anos sobre o tema, as 10 seguintes substâncias têm demonstrado ser os agentes quimioprotectores alimentares mais eficazes contra os células-tronco cancerígenas:

- Curcumina: O polifenol primário presente na raiz do Açafrão
- Licopeno: Um carotenóide vermelho presente na melancia, toranja e tomates
- Extracto de Romã
- Epigalocatequina-3-galato (EGCG): Extracto de chá-verde
- Luteolina: Um flavonóide presente nos pimentos e em vários vegetais verdes
- Piperina: Um fitoquímico presente na pimenta preta
- Resveratrol: Um fitoquímico presente nas uvas, amendoins
- Betacaroteno: Um carotenóide cor de laranja presente em vários vegetais
- Sulforafano: Um fitoquímico sulfuroso presente nas crucíferas
- Genisteína: Um fitoquímico presente na soja e café


Os pesquisadores relataram que os fitoquímicos conseguem atacar selectivamente os células-tronco cancerígenas significando "um marco na melhoria do tratamento do cancro porque os medicamentos oncológicos sintéticos utilizados actualmente são frequentemente tóxicos para os órgãos saudáveis e enfraquecem o sistema imunitário do paciente."

Também destacaram que estes fitoquímicos, devido aos "baixos níveis de toxicidade para as células normais", podem ser associados a outros fitoquímicos, "produzindo efeitos sinérgicos poderosos."

Os autores concluíram que, "o uso de fitoquímicos pode ser uma verdadeira estratégia terapêutica para erradicar o cancro através da eliminação de células-tronco cancerígenas."


Sei bem que um diagnóstico de cancro não é fácil de lidar, principalmente pela conotação negativa que a própria palavra tem, no entanto, não nos podemos esquecer que está nas nossas mãos a responsabilidade de ajudar o nosso corpo a recuperar da doença. Compreendo que seja mais fácil colocar as decisões sobre a nossa saúde no médico deixando-o tomar as rédeas do nosso destino confiando sem questionar, mas, a saúde é tua, o corpo é teu e tu tens inteligência de sobra para tomares as tuas decisões baseadas na informação que deves exigir de quem te está a acompanhar, sejam profissionais da área que for.

Lembra-te: O corpo é o teu templo e só lá entra quem vai por bem, quem tu permitires, não deixes que te arrombem a porta e revoltem tudo sem a tua orientação. Informa-te, pondera sobre todas as soluções e depois toma a tua decisão consciente e confiante de que é a melhor decisão que podes tomar por TI.



(1): Int J Mol Sci. 2015 Jul; 16(7): 15727–15742. (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4519921)
(2): http://www.greenmedinfo.com 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: