Avançar para o conteúdo principal

Alimentos fundamentais na minha cozinha.

A comida é e deve ser a nossa base para uma boa saúde.
Baseando-me nesse princípio, as alterações alimentares são sempre a principal ferramenta que utilizo para ajudar os meus pacientes a obter saúde, que por sua vez permite-lhes transformar completamente a sua visão sobre o próprio corpo.

Hoje vou-vos falar acerca dos principais alimentos que tenho sempre na cozinha e que consumo diariamente. São alimentos de fácil confecção e flexíveis, pois podem dar origem aos mais diversos pratos.

Fruta: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) devemos consumir diariamente no mínimo três peças de fruta, idealmente cinco porções de fruta dependendo das necessidades de cada pessoa.
A fruta é essencial para uma boa manutenção da saúde pois são alimentos extremamente nutritivos que nos fornecem as mais variadas vitaminas, minerais, diferentes tipos de fibras alimentares e flavonóides que ajudam a optimizar a saúde. Na cozinha tenho sempre fruta variada e à mão para que quando a fome aperta ser das primeiras coisas onde o olhar se volta, evitando assim escolhas menos adequadas.

Óleos de qualidade (e em pouca quantidade): Azeite extra virgem, óleo de coco, de sementes de sésamo e linho. A gordura auxilia o teu corpo a produzir mais energia e deixa-te saciada por mais tempo. Embora essencial e sempre presente na alimentação, o seu consumo em forma de óleo deve ser moderado.
O abacate é outro exemplo de gordura da boa que devemos ter sempre em casa e tem a vantagens de ser extremamente versátil, pois com ele podes fazer sandes, saladas, batidos, papas, molhos e até sobremesas. A dose recomendada de gordura “liquida” por dia é no máximo 2 colheres de sopa por pessoa. 

Tubérculos e Abóbora: Cenouras, beterrabas, batata doce, abóbora, são extremamente ricas em vitamina A que por sua vez promove a saúde imunitária, auxilia na regeneração celular e melhora e visão. 

Vegetais de folha verde (quanto mais escuro melhor): Idealmente faz parte do prato em todas as refeições com a grande vantagem da variedade ser imensa, desde brócolos, couves incluindo as de bruxelas, acelgas, espinafres, grelos, já viste a imensidão que tens? 

Frutos secos e sementes: os frutos secos são ricos em proteínas, cálcio, magnésio e gorduras de boa qualidade. As tâmaras para fazer doces ou para os acessos de gula. As amêndoas e as nozes utilizo em forma de patés, por vezes junto ao arroz integral para o enriquecer e também as utilizo nos vegyburgueres pois são especialmente eficazes na redução do colesterol e ajudam-nos a manter uma energia constante. As sementes de girassol e de abóbora ficam maravilhosas em saladas e como são ricas em proteínas, zinco e muitos outros minerais formam uma aliança perfeita com a salada. Por vezes também as adiciono a sopas ou aos assados.

Leguminosas: Lentilhas, feijão, grão, ervilhas...São muito ricas em proteínas, ferro, cálcio e zinco. Nutrientes essenciais para o bom funcionamento da nossa saúde. Sabias que os povos com maior longevidade são também os que consomem abundantemente e regularmente leguminosas?

Cereais integrais: Arroz integral e quinoa são os cereais sempre presentes na minha cozinha. Apesar das dúvidas que vão surgindo em relação ao seu consumo penso que, tendo em conta que os cereais têm feito parte da dieta humana há milhares de anos, devem ser consumidos regularmente até porque nos fornecem nutrientes importantes e fibras para uma boa saúde intestinal que nos ajuda a manter o sistema nervoso e imunitário equilibrado.
No entanto, algumas pessoas, não toleram bem os cereais devido a sensibilidades alimentares, muitas até descobrem que ao evitar o consumo destes alimentos, os seus níveis de açúcar no sangue tornam-se mais equilibrados e vêem-se a reduzir a sua gordura corporal. Por isso, é que defendo que cada corpo é um corpo e que cada pessoa deve ser avaliada individualmente respeitando a singularidade de cada organismo.
Mas para a maioria de nós, uma pequena quantidade de cereais integrais, duas vezes por dia é absolutamente saudável. Os grandes distúrbios surgem principalmente quando nos alimentamos principalmente de farinhas e produtos refinados/processados.

Cogumelos: Excelentes fontes de vitaminas B, proteínas e fósforo. Além disso ainda são ricos em fibras e ácido fólico que beneficiam a saúde intestinal, reduzem a absorção de gordura, previnem as doenças cardiovasculares e são importantes como tratamento complementar das mais diversas doenças degenerativas, logo, fundamental na cozinha.


E tu? O que tens sempre na tua cozinha?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.
Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína? A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.
As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.
O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescim…