Avançar para o conteúdo principal

Banho de Ervas no Pós-parto

Fonte: Pixabay
O banho pós-parto é uma tradição muito antiga. Encontramos relatos de banhos de plantas medicinais no pós-parto nas mais diversas culturas onde os utilizavam para promover a cicatrização do corpo da mulher e permitir-lhe relaxar após trazer uma nova vida ao mundo.

Sabes uma coisa que admiro e que gostava muito que nós como sociedade voltássemos a recuperar? O espírito de entre-ajuda que havia quando uma mulher tinha o seu filho.

A mulher via-se cercada pelos seus amigos e familiares que lhe ofereciam ajuda física e principalmente conforto psicológico com a intenção de apoiar a nova mamã a recuperar tranquilamente e a criar o vinculo mãe-filho tantas vezes subvalorizado nos nossos dias. Talvez se essa tradição fosse recuperada não haveria tantas depressões pós-parto onde as mulheres se sentem sós, desamparadas e sem nenhum apoio motivacional.

Os banhos de plantas medicinais resultam dessa entre-ajuda, onde a mulher tinha a oportunidade de apreciar um bom momento consigo mesma (ou com o bebé) ao mesmo tempo que beneficiava das propriedades medicinais das plantas, facilitando a cicatrização do períneo e na contenção de infecções bacterianas.

Existem muitas plantas que podem ser usadas para acalmar o tecido perineal, curar a episiotomia, reduzir a inflamação e até mesmo encolher hemorróidas após um parto vaginal, no entanto, o banho de ervas não é adequado após uma cesariana.

O banho pode ser tomado duas horas após o parto vaginal desde que a mãe seja saudável e não existam sinais de infecção. O bebé pode acompanhar a mamã no banho, promovendo também para a secagem e regeneração do cordão umbilical.

Assim, para estares preparada para esse momento, vai reunindo plantas suficientes para 1 banho/dia durante 5 dias e mais algumas para uso em lavagens perineais.


Plantas para o banho pós-parto:
- 25g de flores de calêndula (Calendula officinalis)
- 14g de folhas secas de sálvia (Salvia officinalis)
- 25g de flores de lavanda (Lavandula angustifolia)
- 25g de folhas secas de consolda / confrei (Symphytum officinale L.)
- 14g de folhas secas de Uva Ursina (Arctostaphylos uva-ursi L)
- 1/2 chávena de sal marinho

Ferve 2 litros de água. Desliga o fogão e coloca 1 mão cheia da mistura de plantas medicinais acima mencionadas na panela. Mexe e deixa repousar coberto, durante 30 minutos.
Coa bem o liquido com um coador de malha fina. Adiciona essa infusão à água da banheira, juntamente com o sal e delicia-te com este maravilhoso banho relaxante só para ti.


Se quiseres também tens outras opções...


Compressas Medicinais: Utiliza a mesma infusão que usarias para o banho e embeba um pano no liquido, aplicando quente ou frio no períneo para reduzir a dor e o inchaço.

Lavagem perineal: Com qualquer garrafa que dê para esguichar, enches com a infusão das plantas medicinais e esguichas o liquido à temperatura ambiente ao longo do períneo quando urinares. Isto reduz a inflamação e o ardor.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.
Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína? A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.
As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.
O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescim…