Avançar para o conteúdo principal

Cólicas nos bebés e alimentação, haverá relação?

As cólicas caracterizam-se por períodos prolongados de choro inconsolável do bebé e afetam cerca de 40% dos recém-nascidos. A condição é muitas vezes descartada como trivial, mas deve ser tratada com seriedade porque o stress que causa pode contribuir para a depressão pós-parto, interferir com a amamentação e até levar à morte do recém-nascido por síndrome do bebé sacudido.
Os bebés choram por um motivo e não porque são difíceis ou chorões...quando tens cólicas sentes dor certo? Os bebés também!!

A profissão médica tem um historial escandaloso, não apenas por negar o alívio da dor da crianças, mas também por rotineiramente realizar cirurgias em crianças com pouca ou nenhuma anestesia na década de 1980. Um caso famoso em 1985 foi do pequeno Jeffrey Lawson, que passou por uma cirurgia de coração aberto totalmente acordado e consciente. Apenas lhe deram uma droga para o paralisar de forma a não se contorcer. Mas, tal como num filme de terror, ele não se podia mover, mas sentia tudo. Este cirurgião não era “especial de corrida”, pois torturar bebés era um procedimento padrão na década de 80, sim, há cerca de 3,5 décadas atrás (1980). Eles pensavam que os bebés não sentiam dor.

Teoricamente, pensa-se que a dor da cólica tem origem num desconforto gastrointestinal, como cólicas intestinais.

Algumas gotas de uma solução de hortelã-pimenta conseguiu reduzir o número de episódios de cólicas para metade e reduziu o choro diário de três para duas horas, funcionando tão bem como a droga simeticone, mas a Academia Americana de Pediatria adverte sobre o uso de óleo de hortelã-pimenta em lactentes.

Um outro estudo verificou que a preparação de uma infusão de plantas medicinais pode ser útil, mas os pais foram aconselhados a não usá-la; não só por a infusão poder interferir com a continuidade da amamentação, mas também pela falta de regulamentação adequada. Por exemplo, a decocção de anis estrelado é commumente utilizado para cólicas. O anis estrelado chinês é considerado seguro e não tóxico, mas o anis estrelado japonês é venenoso. Eles parecem idênticos, mas o anis estrelado japonês contém uma neurotoxina potente e essa neurotoxina foi encontrada por contaminação em misturas de anis estrelado nos EUA.

E os arrotos à moda antiga? Arrotar após a alimentação é normalmente aconselhada pelos profissionais de saúde para promover a expulsão de gases que se acumulam durante a alimentação, com o objectivo de diminuir o desconforto e os episódios de choro, mas a evidência científica para a eficácia desta técnica não havia, até que em 2014 foi realizado um ensaio randomizado controlado para a prevenção de cólicas e regurgitação em lactentes saudáveis. Então, qual foi a conclusão? Inúteis para cólica e pioraram a regurgitação. Os bebés que foram postos a arrotar, regurgitaram o dobro dos bebés que não foram postos a arrotar.

Então, qual o tratamento mais eficaz? A eliminação da proteína do leite de vaca, pois pensa-se que a cólica pode ser um tipo de resposta alérgica. Décadas atrás, foi demonstrado que os bebés alimentados com leite de vaca desenvolveram anticorpos de resposta para as proteínas de origem bovina, o que pode explicar porque é que as cólicas melhoram depois de se mudar de uma fórmula infantil de leite de vaca adaptada para uma fórmula de proteína hidrolisada hipoalergénica ou uma fórmula à base de soja.

No entanto, as crianças amamentadas têm taxas semelhantes de cólicas como os bebés alimentados com fórmula, porquê?

Possivelmente o leite materno de mães que bebem leite contêm proteínas do leite de vaca. Sabe-se que as proteínas do leite de vaca podem passar através do leite materno e causar certas reacções alérgicas graves, mas e as cólicas? Com base em estudos de lactentes alimentados com fórmula, a cólica já era um sintoma bem conhecido de intolerância à proteína do leite de vaca na década de 70. Então, puseram a hipótese das cólicas em crianças amamentadas poderem ser causadas pelas proteínas do leite de vaca transmitidas da mãe para filho através do leite materno. Fizeram então uma dieta livre de produtos lácteos para as mães que amamentam cujos filhos tinham cólicas. De 19 crianças, a cólica desapareceu rapidamente em 13 crianças, e em 12 das 13 crianças, os investigadores conseguiram demonstrar que poderiam trazer de volta a cólica, desafiando as mães com um pouco de leite. Por exemplo, um bebé que ficou sem cólicas quase por completo após 1 dia da mãe ter eliminado os lacticínios e depois reaparecem após a mãe ingerir um pouco de leite de vaca.

Assim, os investigadores concluem que o tratamento para cólica infantil em crianças amamentadas é uma dieta isenta de leite de vaca para a mãe, uma recomendação que continua a este dia.



Referências
·       J G B Alves, R D C Moraes de Brito, T S Cavalcanti. Effectiveness of Mentha piperita in the Treatment of Infantile Colic: A Crossover Study. Evid Based Complement Alternat Med. 2012; 2012: 981352. [www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3403674]
·       P L Lucassen, W J Assendelft, J W Buggels, J T Van Eikj, W J van Geldrop, A K Neven. Effectiveness of treatments for infantile colic: systematic review. BMJ. 1998 May 23;316(7144):1563-9. [www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC28556]
·       S M Sopo, S Monaco, M Greco, G Scala. Chronic food protein-induced enterocolitis syndrome caused by cow's milk proteins passed through breast milk. Int Arch Allergy Immunol. 2014;164(3):207-9. [www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25034379]
·       M Rodriguez-Gonzalez, I B Fernandez, P Z Rodriguez, A M LEchuga-Sancho, S L Lopez. Toxicity of remedies for infantile colic. Arch Dis Child. 2014 Dec;99(12):1147-8. [www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25169823]
·       M Lacovou, R A Ralston, J Muir, K Z Walker, H Truby. Dietary management of infantile colic: a systematic review. Matern Child Health J. 2012 Aug;16(6):1319-31. [www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21710185]
·       R Kaur, B Bharti, S K Saini. A randomized controlled trial of burping for the prevention of colic and regurgitation in healthy infants. Child Care Health Dev. 2015 Jan;41(1):52-6. [www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24910161]
·       Z Weizman, S Alkrinawi, D Goldfarb, C Bitran. Efficacy of herbal tea preparation in infantile colic. J Pediatr. 1993 Apr;122(4):650-2. [www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8463920]
·       I Jakobsson, T Lindberg. Cow's milk as a cause of infantile colic in breast-fed infants. Lancet. 1978 Aug 26;2(8087):437-9.
·       R Y Zisk. Our youngest patients' pain--from disbelief to belief? Pain Manag Nurs. 2003 Mar;4(1):40-51.
·       E N Rodkey, R Pillai Riddell. The infancy of infant pain research: the experimental origins of infant pain denial. J Pain. 2013 Apr;14(4):338-50.
·       G R Madden, K H Schmitz, K Fullerton. A case of infantile star anise toxicity. Pediatr Emerg Care. 2012 Mar;28(3):284-5.
·       M Delire, C L Cambiaso, P L Masson. Circulating immune complexes in infants fed on cow's milk. Nature. 1978 Apr 13;272(5654):632.
·       C Cates. Effectiveness of treatments for infantile colic. BMJ. 1998 Nov 21; 317(7170): 1451.
·       A Taddlo, J Katz, A L Ilersich, G Koren. Effect of neonatal circumcision on pain response during subsequent routine vaccination. Lancet. 1997 Mar 1;349(9052):599-603.
·       J I Singer, N M Rosenberg. A fatal case of colic. Pediatr Emerg Care. 1992 Jun;8(3):171-2.
·       F Oberklaid. Persistent crying in infancy: a persistent clinical conundrum. J Paediatr Child Health. 2000 Aug;36(4):297-8.
·       D M Roberts, M Ostapchuk, J G O’Brien. Infantile Colic. Am Fam Physician. 2004 Aug 15;70(4):735-740.
·       W B Rogers. Colic Is Pain. Pediatrics April 1996, VOLUME 97 / ISSUE 4.
·       H J Stang, L W Snellman. Circumcision practice patterns in the United States. Pediatrics. 1998 Jun;101(6):E5.
·       D Ize-Ludlow, S Ragone, I S Bruck, J N Bernstein, M Duchowny, B M Pena. Neurotoxicities in infants seen with the consumption of star anise tea. Pediatrics. 2004 Nov;114(5):e653-6.
·       J S Radesky, B Zuckerman, M Silverstein, F P Rivara, M Barr, J A Taylor, L J Lengua, R G Barr. Inconsolable infant crying and maternal postpartum depressive symptoms. Pediatrics. 2013 Jun;131(6):e1857-64.
·       R Shamir, I St James-Roberts, C Di Lorenzo, A J Burns, N Thapar, F Indrio, G Riezzo, F Raimondi, A Di Mauro, R Francavilla, R H Leuchter, A Dargue, P S Huppi, R G Heine, M Bellaiche, M Levy, C Jung, M Alvarez, K Hovish. Infant crying, colic, and gastrointestinal discomfort in early childhood: a review of the evidence and most plausible mechanisms. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2013 Dec;57 Suppl 1:S1-45.
·       S C Wesson. Ligation of the ductus arteriosus: Anesthesia management of the tiny premature infant. Journal of the American Association of Nurse Anesthetists December 2012. [www.aana.com/newsandjournal/Documents/ligation_1282_p579.pdf]

- Texto traduzido e adaptado do original do Dr. Michael Greger [http://nutritionfacts.org] 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…