Avançar para o conteúdo principal

O Todo x O Parcial

Fonte: Pixabay
Existem milhares de fitoquímicos que podem desempenhar um papel importante na redução do risco de doenças crónicas. Sabemos que os alimentos de origem vegetal têm sido consistentemente considerados protetores.
Quando isolado, o composto ativo pode perder a sua atividade, ou comportar-se de forma diferente da esperada.
Acredita-se que a atividade antioxidante e anticancerígena dos alimentos vegetais derivam dos efeitos aditivos ou sinérgicos que resultam da sua ingestão integral.
Cada planta tem milhares de diferentes fitoquímicos e cada planta tem um perfil de fitonutrientes também ele diferente. Assim, teoricamente pensava-se que poderia haver efeitos sinérgicos ao se consumir diferentes alimentos juntos. E esse, foi o objetivo do seguinte estudo:


O que acontece se misturarmos diferentes frutas com diferentes legumes?
A combinação de alimentos entre diferentes categorias aumentou a probabilidade de sinergia.
Por exemplo, o poder antioxidante das framboesas e do feijão azuki isolados mostrou-se inferior ao poder antioxidante deles combinados.

E em relação a efeitos anticancerígenos?
Repetiram em 2013 [J Med Food 16 (12)] este estudo, mas desta vez pingaram diferentes combinações de alimentos em células de cancro da mama a crescerem numa placa de Petri.
As uvas suprimiram o crescimento das células cancerígenas da mama cerca de 30%.
As cebolas reduziram o crescimento do cancro de mama pela metade.
Mas ao se juntar os dois obteve-se uma supressão do crescimento de células cancerígenas em 70%.

E qual a importância deste estudo?
É grande!! Porque atualmente é-nos mais cómodo depender de suplementos ricos em fitonutrientes do que comer todos os dias alimentos ricos nestes mesmos fitonutrientes.
Por isso deixo a sugestão. Se precisares de betacaroteno come cenouras ou batata doce e se precisares de vitamina C come fruta!!


Texto adaptado do original: nutritionfacts.org/video/food-synergy

Fontes Bibliográficas
Liu RH. Health benefits of fruit and vegetables are from additive and synergistic combinations of phytochemicals. Am J Clin Nutr. 2003 Sep;78(3 Suppl):517S-520S.
Liu RH. Potential synergy of phytochemicals in cancer prevention: mechanism of action. J Nutr. 2004 Dec;134(12 Suppl):3479S-3485S.
Wang S, Meckling KA, Marcone MF, Kakuda Y, Tsao R. Synergistic, additive, and antagonistic effects of food mixtures on total antioxidant capacities. J Agric Food Chem. 2011 Feb 9;59(3):960-8.

Wang S, Zhu F, Meckling KA, Marcone MF. Antioxidant capacity of food mixtures is not correlated with their antiproliferative activity against MCF-7 breast cancer cells. J Med Food. 2013 Dec;16(12):1138-45.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.
Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína? A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.
As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.
O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescim…