Avançar para o conteúdo principal

O meu Filho tem Febre e Agora?

A febre é quase um tema tabu na nossa sociedade. Funciona como o “bicho papão”.

Criou-se de tal forma, de geração em geração, o medo da febre que acabámos por esquecer o que ela é e para o que serve. Apenas agimos automaticamente quando o nosso filho tem febre...dando-lhe de imediato um antipirético (ben-u-ron) não vá a febre subir.

Ora bem, antes de mais nada, SIM, se o teu filho tiver menos de 1 mês de idade e com uma temperatura superior a 38 graus, liga de imediato para o médico ou vai com ele ao hospital (é preferível ligar 1º ao médico ou à saúde 24  para evitar num primeiro momento expô-lo a mais microrganismos infecciosos).

Para os pais de filhotes mais velhos, respirem fundo e continuem a ler ...


Antes de mais, o que é uma febre?

A febre é uma resposta saudável e natural do corpo que ajuda a combater uma infecção.

A febre em si NÃO é uma doença!


Uma temperatura acima de 38 graus é considerada febre. A maioria das febres encontram-se na faixa dos 38,5-39,5ºC, acima dos 39,5ºC já é febre alta.

Eu, como mãe, sei bem o quanto fico agitada e nervosa quando a temperatura do meu filho ultrapassa os 39ºC! Mas, na realidade, a temperatura alta ou baixa não reflete necessariamente a gravidade da doença - mas sim, é muito assustador para nós pais.

A febre nas crianças são geralmente causadas por infecções virais comuns e a maioria não são perigosas. As crianças apresentam geralmente sintomas como tosse, corrimento nasal, dor de ouvido ou erupções cutâneas.
As infecções bacterianas, como as infecções de garganta, trato urinário e ouvido, também podem causar febre.

O que fazer? Tem em mente que não necessitas de “tratar” a febre em si - o corpo já está a trabalhar para combater a infecção que está a causar a febre.
O paracetamol e o ibuprofeno baixam a temperatura e embora aliviem um possível desconforto nas crianças também têm efeitos secundários potencialmente graves, por isso tenta moderar a sua toma, evita fazê-lo como primeira abordagem à febre.


Hidratação é a chave




Dá ao teu filho muitos líquidos durante a febre.

Os bebés devem mamar em livre demanda e os bebés mais velhos que ainda mamem podem/devem ser amamentados frequentemente e dado adicionalmente água por uma colher de chá a cada 30 minutos.

Deixa o teu filho descansar e dormir o quanto precisar. Se vires que ele está bem apesar da febre não o acordes. Cria um ambiente tranquilo, confortável e repousante para que ele recupere facilmente.

É normal que as crianças tenham muito pouco apetite quando estão febris, por isso, oferece-lhe apenas alimentos leves - sopas, caldos, frutas, legumes cozidos no vapor mas não o forces a comer, lembra-te que quando estás mal também não tens apetite. Mas insiste com os líquidos!


Apoio Fitoterápico



As plantas podem ser usadas para ajudar a aliviar os sintomas associados à febre - dores, dor de cabeça, desconforto na barriga e calafrios.

As febres elevadas podem ser reduzidas com a ajuda de algumas plantas medicinais. As que te falo aqui são plantas que utilizo no meu filho quando está febril e que também recomendo na minha prática clínica.

- Camomila
- Melissa officinalis
É de sabor agradável e muito suave mesmo para os bebés. Alivia a dor de barriga, dores gerais e os sintomas de febre.

- A raiz do gengibre
Acalma a indigestão. Esta decocção ajuda a combater as infecções respiratórias superiores e ajuda a suar a febre.

- Folha de hortelã
- Flor Sabugueiro
Esta é uma infusão de sabor mais forte. Dá a beber ainda quente para ajudar a quebrar o suor.


Apoio Nutricional 



- Sumo de maçã ajuda a reduzir a temperatura.
- Shot´s de vitamina C: Sumo de kiwi, com limão e laranja a cada 1 hora.


E quando consultar o médico?


Todos os bebés com menos de 1 mês de idade com febre devem ser vistos por um médico imediatamente.

- Bebés com menos de 3 meses de idade com febre alta devem ser vistos por um médico.
- Qualquer criança que não está a ingerir líquidos ou que não estão a urinar numa quantidade normal em comparação com o habitual.
- Crianças que se apresentem demasiadamente apáticos devem ser vistos pelo médico.
- Qualquer criança com febre que apresente rigidez no pescoço, vómitos persistentes ou dor de cabeça severa.

- Dor de ouvido severa ou dor de barriga aguda.
- Quando a criança se apresenta letárgica, ou seja, não reage, aparenta estar demasiado fraca ou deixa de fazer contato visual.
- Febres que permanecem elevadas mais do que 3 a 5 dias.

Se receares que o teu filho tenha uma doença grave, leva-o ao médico.

Lembra-te, CONFIA sempre na tua intuição de mãe!



Mas recorda-te que na maioria das vezes a febre é apenas uma forma útil do corpo lutar contra uma infecção. O mais importante de tudo é garantires que ingere muitos líquidos, descansa e come alimentos leves. O conforto aliado a infusões de plantas medicinais é geralmente tudo o que é necessário para ajudar o teu filho a recuperar com segurança e naturalmente.

Um beijinho.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…