Avançar para o conteúdo principal

Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes.
Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.

Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis em gordura e geralmente mais abundantes em alimentos gordos, sendo que a sua absorção na corrente sanguínea é reforçada quando são consumidas com gordura.

A vitamina D ou a "vitamina do sol" é produzida pela nossa pele quando exposta à luz solar direta. Uma das principais funções da vitamina D é promover a absorção de cálcio e manter os seus níveis adequados no sangue, como consequência a sua deficiência está associada a perda de massa óssea. Assim, a vitamina D:
Melhora a absorção de cálcio dos alimentos que ingeres (Am J Clin Nutr. 2014 Mar).
Retira o cálcio dos ossos para executar funções necessárias, quando não consomes cálcio suficiente (Bonekey Rep. 2014 Feb). Por isso, manter os níveis adequados de cálcio no sangue é essencial.

A vitamina K encontra-se em abundância nas folhas verdes, nos fermentados, assim como em alguns alimentos de origem animal, como a gema do ovo e o fígado.
Esta vitamina é necessária para a coagulação do sangue e promove o acúmulo de cálcio nos nossos ossos e dentes. A grande diferença entre ambas é que enquanto a vitamina D garante os níveis sanguíneos adequados de cálcio no sangue, a vitamina K controla os locais onde esse cálcio é armazenado. Assim, a vitamina K:
Promove a calcificação do osso, ativando a osteocalcina, uma proteína que promove a acumulação de cálcio nos ossos e dentes (Haemostasis. 1986).
Reduz a calcificação dos tecidos moles, ativando a  matriz  da proteína GLA, o que evita o acúmulo do cálcio nos tecidos moles, como os rins e os vasos sanguíneos (Adv Nutr. 2012 Mar, Z Kardiol. 2001).

Neste momento, poucos são os estudos humanos controlados que têm investigado os efeitos dos suplementos de vitamina K na calcificação dos vasos sanguíneos (Am J Clin Nutr. 2009, Cochrane Database Syst Rev. 2015, Nutrients. 2015). A calcificação de vasos sanguíneos está envolvida no desenvolvimento de doenças crónicas, como doenças cardíacas e renais (- Ann Med. 2012; J Ren Care. 2009; Proc Natl Acad Sci U S A. 2003).

Vitamina K existe de várias formas, sendo tradicionalmente dividida em dois grupos:
Vitamina K1 (filoquinona): A forma mais comum de vitamina K. Encontra-se em plantas, nomeadamente folhas verdes como a couve e o espinafre.
Vitamina K2 (menaquinona): Forma encontrada principalmente em alimentos de origem animal e fermentados como o natto (fornece cerca de 1300mcg por cada 100g). A vitamina K2 é constituída por uma grande família de compostos, incluindo a menaquinona-4 (MK-4) e a menaquinona-7 (MK-7).
MK-4: Encontrado em alimentos de origem animal como fígado, gordura, gema de ovo e queijo.
MK-7: Formado por fermentação bacteriana e encontrado em alimentos fermentados, como natto, miso e chucrute. Também é produzido pelas bactérias intestinais (nutrition jrnl; Haemostasis. 2000).

As recomendações dietéticas atuais não distinguem entre a vitamina K1 e K2. Para as pessoas com 19 anos ou mais, a ingestão recomendada é de 90 mcg para mulheres e 120 mcg para homens (ncbi.nlm.nih.gov).

Em relação à suplementação, apenas recomendo em casos específicos, nomeadamente em casos de osteoporose ou carência de vitamina K, até porque deve-se ter em atenção as interações medicamentosas que a vitamina K, sob a forma de suplemento, tem com determinados medicamentos (Medicine (Baltimore), 2016).

Como podemos ver, ambas trabalham em sinergia para garantir um metabolismo eficaz do cálcio.

E agora? Podes tomar um suplemento de Vitamina D sem vitamina K?

Surgiu a preocupação de que uma elevada ingestão de vitamina D pode promover a calcificação de vasos sanguíneos e doenças cardíacas entre aqueles que possuem níveis baixos de vitamina K, preocupação esta que é parcialmente apoiada por algumas evidências.

Mas simplificando: a toxicidade por vitamina D pode causar calcificação dos vasos sanguíneos, enquanto a vitamina K pode ajudar a impedir que isso aconteça.
Embora estas evidências possam parecer suficientemente favoráveis, ainda há algumas dúvidas, pois apesar de sabermos que doses extremamente elevadas de vitamina D podem levar a perigosos níveis de cálcio e calcificação dos vasos sanguíneos, ainda não é claro se doses mais baixas de vitamina D são igualmente prejudiciais a longo prazo (Nephrol Dial Transplant. 2012; J Clin Endocrinol Metab. 2014).

Não existe nenhuma evidência suficientemente forte que demonstre que quantidades moderadas de vitamina D são prejudiciais sem que haja uma ingestão adequada de vitamina K sob a forma de suplemento. No entanto, as pesquisas estão em curso, e em breve poderemos vir a saber mais.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: